Manter os ativos imobilizados de uma empresa devidamente organizados não é fácil. E quem atua na área patrimonial sabe o quanto é árdua a tarefa de manter o controle dos bens.

Felizmente, a todo o momento surgem novas técnicas, melhores práticas de gestão e ferramentas capazes de facilitar os controles, automatizar processos e gerar mais produtividade aos profissionais da área de patrimônio.

Uma dessas práticas é a substituição das etiquetas de identificação por código de barras pelas etiquetas RFID (Radio-Frequency IDentification) ao controle patrimonial.

As etiquetas por radiofrequência RFID armazenam as informações dos itens e geram a identificação à distância. O resultado é a maior facilidade no registro da localização dos bens, proporcionando mais agilidade, otimização de tarefas com menos tempo de execução e informações de inventário mais precisas.

Na prática, a identificação de cada item é feita por meio da leitura automática das TAGs (etiquetas inteligentes), fixadas em cada um dos ativos de patrimônio que devem ser monitorados.

Substituir as etiquetas com código de barras por tags RFID pode facilitar muito o dia a dia dos profissionais responsáveis pelo patrimônio, além de gerar mais tranquilidade e segurança, devido à alta precisão.

Implantação da tecnologia RFID para controle do Ativo Imobilizado

A implantação da tecnologia RFID para controle do Ativo Imobilizado envolve uma série de atividades, softwares e hardwares específicos. A Global Consultoria ao longo de centenas de projetos realizados, desenvolveu uma metodologia própria de implantação da tecnologia RFID junto ao controle de patrimônio. O processo se divide da seguinte forma:

1 – Consultoria Técnica:

  • Mapeamento e Implantação do sistema de RFID
  • Treinamento da equipe que usará a tecnologia
  • Suporte técnico
  • Manutenção de solução para gestão e inventário de patrimônio no cliente.

2 – Software:

Sistema para a comunicação e integração ao (ERP) software de controle patrimonial atualmente existente no cliente.

3 – Hardware:

Coletores de dados, antenas, gravadores, servidores, entre outros equipamentos específicos.

Aplicativos necessários para a implantação do RFID no controle patrimonial

A solução completa composta de três aplicativos integrados:

1 – Software para manutenção de dados cadastrais

Software web para manutenção de dados cadastrais, consultas online e emissão de relatórios sobre a localização e a situação dos bens de patrimônio.

A finalidade deste software é se comunicar com o sistema de controle patrimonial da sua empresa. E é operado em ambiente web. E tem por objetivo facilitar o ajuste e a consolidação da localização física de bens patrimoniais. Isso permite que seus usuários realizem manutenção dos dados cadastrais de patrimônio, consultas WEB. Além disso, emitem relatórios, a partir da seleção e do agrupamento de informações gravadas em banco de dados Oracle e centralizado no servidor da sua empresa.

2 – Software operado a partir de handheld

Aplicativo operado a partir de HANDHELD, que são coletores de dados portáteis. E por finalidade registrar a localização e a situação dos bens patrimoniais monitorados.

Este software opera em ambiente Windows “CE” ou “Mobile”, permitindo que seus usuários operem os coletores de dados para agilizar. Também melhor a qualidade dos procedimentos de localização, inventário e de registro da situação de cada item de patrimônio (inventários locais e remotos).

O aplicativo operado a partir de dispositivo Handheld deverá ser compatível com sistema operacional do coletor. E deve atender a todos os usuários, de acordo com o número de licenças de uso Global Consultoria, por meio de senhas e logins individuais.

O Middleware é responsável pelas funções de leitura, gravação e recuperação de eventos, obtidos a partir das TAGs (etiquetas de RFID).

Também responsável pela comunicação do software de localização e inventário com os dispositivos de RFID, de leitura de código de barras e de manutenção de fotos, que fazem parte dos coletores de dados portáteis (handheld).

Cada um dos coletores de dados RFID, deverá ser fornecido com Middleware instalado e integrado ao software aplicativo de localização e inventário instalado.

O Middleware deve conter características de segurança para: a integridade de dados da etiqueta eletrônica, tais como, dados de identificação das TAGs (etiquetas eletrônicas gravadas pela solução). Os dados devem estar criptografados, visando dificultar a leitura ou a alteração por terceiros.

O Middleware permite que os modos de operação do hardware de coleta / gravação de dados (coletores de dados com RFID) sejam configurados por usuários autorizados.

Entende-se por configurar os modos de operação do hardware, a possibilidade de se realizar ajustes operacionais padronizados, importantes para o adequado funcionamento dos equipamentos e dispositivos com RFID UHF (902 a 928 MHZ).

Essas configurações devem abranger, por exemplo: o padrão de comunicação com os equipamentos, modelos, timer de leitura, regras e/ou controles de bloqueio, horas de funcionamento, auto ativação/desativação de aparelhos conjuntos, dentre outros.

2 – Software aplicativo web

Na prática é uma plataforma web, utilizada para Monitoramento e Rastreamento da Movimentação Física de Bens patrimoniais entre Setores das Unidades do CLIENTE através de Gravadores fixos e Antenas UHF.

O aplicativo, plataforma web, para Monitoramento e Rastreamento da Movimentação Física de bens patrimoniais nas dependências de Unidades do CLIENTE, registra no banco de dados da solução, eventos com dados sobre a movimentação de cada um dos bens identificados por RFID nas Unidades monitoradas da sua empresa. Ou seja, os eventos são gerados a partir de dispositivos de RFID (Leitores / Gravadores Fixos e Antenas UHF), estrategicamente instalados nos locais de passagem entre os setores e andares das edificações, e que serão definidos pelo responsável da sua empresa.

Funcionalidades dos softwares da tecnologia RFID

Como dissemos, o principal objetivo da tecnologia de RFID para controle do Ativo Imobilizado é facilitar o registro da localização dos bens de patrimônio da sua empresa.

Em resumo, esta identificação é feita pela leitura automática das TAGs (etiquetas inteligentes), fixadas em cada um dos ativos de patrimônio controlados. O processo de localização (inventário patrimonial), deve utilizar leitoras de RFID manuais (handheld) para localização dos bens e permitir o monitoramento dos bens de patrimônio a partir de antenas e leitoras de RFID fixas, instaladas estrategicamente nos locais de acesso, como por exemplo, corredores internos, portas de acesso ou salas específicas, de acordo com a conveniência da sua empresa.

Os softwares aplicativos ou sistemas de gestão, componentes da solução completa de RFID, apresentam as seguintes funcionalidades:

O aplicativo, acessado via ambiente WEB, fornecido para facilitar a gestão e manutenção dos bens de patrimônio do CLIENTE, deve dispor de opções que permitam a manutenção de informações relacionadas aos bens de patrimônio em banco de dados, residente em servidor centralizado em unidade do CLIENTE, permitindo que pessoas autorizadas:

  1. Operem o aplicativo em suas unidades.
  2. Enviem para, ou recebam dos coletores de dados portáteis com RFID, informações relacionadas aos bens de patrimônio do CLIENTE.
  3. Realizem consultas e emitam relatórios gerenciais, com informações sobre existentes na base de dados e não localizados fisicamente, por unidade detentora da carga.

O aplicativo, acessado via handheld RFID (coletor de dados portátil com RFID) para a realização da localização e de inventários remotos dos bens de patrimônio do CLIENTE, deve utilizar conexões a cabo ou wireless (sem fio), para que, por meio destes dispositivos, usuários autorizados possam:

  1. Receber os dados necessários para o processo de inventário
  2. Enviar dados com o resultado de inventários realizados para o banco de dados, residente em servidor centralizado em unidade do CLIENTE.
Conclusão

Nesse post você aprendeu qual a importância no RFID para a melhor gestão de patrimônio na sua empresa. Compartilhamos com você parte de nosso conhecimento sobre o tema, com o detalhamento sobre os recursos necessários para a implantação do projeto, bem como a nossa metodologia, com ênfase aos diferentes tipos de softwares integrados e as suas funcionalidades

No próximo post falaremos sobre como colocar o projeto em prática com o detalhamento de cada fase.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Share This