Inventário patrimonial nas cooperativas: Entenda  sua importância e por que as cooperativas precisam realizá-lo.

As cooperativas, assim como as empresas, necessitam manter-se sempre organizadas, com processos de gestão e controles patrimoniais precisos para que possam ter um melhor aproveitamento dos seus recursos internos e, consequentemente, eliminar desperdícios ou perdas, evitando gastos desnecessários e ajudando na maior eficiência do negócio.

Para a área contábil de uma cooperativa, manter o controle dos seus bens patrimoniais é algo essencial. Nesse sentido, o inventário do patrimônio da cooperativa é uma das principais ferramentas de controle interno do seu imobilizado.

O processo de inventário patrimonial dentro de uma cooperativa pode até parecer ser algo simples, no entanto, requer amplo conhecimento e planejamento, pois se não for bem executado pode resultar em perdas na contabilidade, em função do descontrole dos ativos imobilizados.

A origem do Inventário Patrimonial

Antes de entrarmos no processo de inventário patrimonial propriamente dito, precisamos voltar às origens do Inventário para entender sua essência.

A origem da Contabilidade está ligada à necessidade de registros do comércio e foi na Itália que surgiu a expressão “Contabilitá” com o livro “La Contabilità Applicatta alle Amministrazioni Private e Pubbliche”, da autoria de Franscesco Villa, mas a obra mais relevante abordava o método das Partidas Dobradas, escrito por Frei Luca Pacioli, cujo título era “Tratactus de Computis et Scripturis” (Contabilidade por Partidas Dobradas), publicado em 1494, enfatizando que à teoria contábil do débito e do crédito. Este livro implicou a adoção de práticas que tornassem mais analítica a Contabilidade, dando origem ao livro da Contabilidade de Custos.

Importante ressaltar, que Pacioli, apesar de ser considerado o pai da Contabilidade, não foi o criador das Partidas Dobradas. O método já era utilizado na Itália, principalmente na Toscana, desde o Século XIV.

Mas e o inventário de Ativos, qual o primeiro registro?

O primeiro registro de inventário realizado é na Itália, era de se esperar que ocorresse neste País, devido as origens da contabilidade e também formalização dos processos contábeis na região.

Segundo historiadores, o primeiro Inventário nos moldes como é conhecido na contabilidade moderna, foi realizado pelos militares na Itália, cuja região exata não é possível afirmar.

Os militares registraram não apenas o arsenal (que seria o mais valioso e importante) mas também os demais equipamentos acessórios, como: Uniformes, armamentos menores, bússolas, binóculos entre outros bens que formavam seu “patrimônio”.

O método de controle não estava limitado a simples contagem, mas também foram dados os primeiros passos na identificação um-a-um dos equipamentos, através de registros como: Pintura do número do bem ou puncionamento (método de impressão no metal)

Como podemos ver, passados seis séculos, os processos de inventário não sofreram tanta alteração na essência, mas sim, nos processos, que veremos nos seguintes tópicos.

Inventário Patrimonial: Por que devo fazer na minha cooperativa?

Para a maioria das cooperativas, uma das grandes dificuldades enfrentadas pelos gestores é manter com absoluta precisão o controle dos seus processos internos, principalmente em relação à área contábil.

Em muitos casos, uma grande dificuldade está em criar processos para manter os registros contábeis de seus bens patrimoniais devidamente organizados e livres de erros.

Embora se perca em meio a outras prioridades, no dia a dia das equipes contábeis, o controle dos bens patrimoniais é um assunto muito importante, uma vez que as discrepâncias entre a localização física dos seus ativos e seus respectivos registros contábeis, podem prejudicar a visão exata do patrimônio que a cooperativa realmente possui.

A importância do inventário patrimonial para o balanço da cooperativa

As informações incorretas podem prejudicar o balanço, interferir nas suas projeções de investimentos e de depreciação. Além de impactar na precisão do planejamento financeiro.

Por exemplo, imagine que na sua cooperativa tenha um ativo fixo que por quebra precise de uma reposição imediata, mas que por falta de acompanhamento essa compra não estava prevista no seu planejamento. Isso pode gerar um investimento não previsto e prejudicar o seu fluxo de caixa.

Por conta disso, entre outros fatores, a reorganização dos bens patrimoniais é algo que deve estar no “radar” dos gestores, que devem se preocupar em realizar um inventário físico completo dos seus bens imobilizados periodicamente.

Grande parte das cooperativas que realizam o inventário patrimonial, o fazem por exigências das auditorias. No entanto, o inventário de bens patrimoniais vai muito além de um mero laudo para fins de balanço ou atendimento à legislação.

Os bens imobilizados são o patrimônio da cooperativa, e devem ser preservados, organizados e devidamente controlados, por isso, o inventário físico dos ativos não deve ser encarado como um custo ou uma atividade obrigatória.

O inventário patrimonial deve entrar na rotina anual das cooperativas como um ponto importante para ajudar a organização a manter a sua saúde financeira. E ter tanta prioridade quanto o DRE ou o demonstrativo de Fluxo de caixa.

O inventário patrimonial deve ser executado por especialistas

O inventário patrimonial para a cooperativa não é uma atividade fácil de ser realizada. Trata-se de uma atividade complexa e que demanda tempo, planejamento e equipes especializadas para o sucesso no resultado. Dessa forma, é recomendável contratar empresas especialistas para sua realização.

A terceirização do inventário libera a sua equipe para cuidar do seu negócio e garante um laudo técnico preciso.

A Global Consultoria é uma empresa especialista na realização do inventário físico de todo o ativo imobilizado e conta com software próprio, equipe altamente capacitada e processos que garante um resultado preciso para a sua empresa.

Com metodologia própria, a Global realiza o inventário patrimonial seguindo algumas etapas:

  • Planejamento do projeto
  • Vistoria Prévia de campo
  • Elaboração do Cronograma
  • Execução
  • Revisão de qualidade
  • Finalização

O resultado é uma relação de todos os bens existentes na cooperativa, devidamente identificados, com toda a descrição padronizada, com os respectivos locais e centro de custos atualizados pelo inventário imobilizado.

Agora que você já sabe a história e a importância do inventário patrimonial para a sua cooperativa e como realiza-lo de forma fácil e segura, está na hora de começar! Entre em contato com nossa equipe e peça por uma visita de nossos consultores.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Share This